História
voltar ã  primeira página


congressos
membro da fessh

Três décadas e meia em prol da mão...

Em 23 de Setembro de 1967, com a constituição de uma Comissão Organizadora da Sociedade Portuguesa de Cirurgia da Mão, dava-se o primeiro passo para a formação de uma entidade científica destinada a facilitar a divulgação entre os seus membros do conhecimento relativo ao diagnóstico e tratamento de doenças e lesões traumáticas da mão.

Como sócios fundadores, contavam-se os seguintes médicos:

  • Prof. Dr A. Baptista Fernandes, cirurgião plástico, de Lisboa
  • Prof. Dr António Gentil Martins, cirurgião pediatra, de Lisboa
  • Dr A. Guimarães e Sousa, cirurgião plástico, do Porto
  • Dr Carlos Elias da Costa, cirurgião plástico, de Lisboa
  • Dr Elias Damião Pires, cirurgião plástico, de Lisboa
  • Prof. Dr Fernando Paredes, cirurgião plástico, de Lisboa
  • Dr Fernando Prata de Lima, cirurgião plástico, do Porto
  • Dr João Manuel Monteiro Sacadura, cirurgião plástico, de Lisboa
  • Prof. Dr Joaquim Paiva Chaves, ortopedista, de Lisboa
  • Prof. Dr José de Oliveira, ortopedista, do Porto
  • Dr Manuel Serra e Costa, ortopedista, de Lisboa

A Sociedade Portuguesa de Cirurgia da Mão viria a constituir-se como Secção da Sociedade das Ciências Médicas de Lisboa, tendo a sua criação e aceitação na referida qualidade sido oficializada na sessão de 12 de Março de 1968. A quota anual foi fixada em 120$00.

Em 29 de Abril de 1968, cerca de um mês após a fundação da Sociedade, foi eleito o primeiro Conselho de Direcção, tendo como Presidente o Dr Manuel Serra e Costa, como Secretário o Prof. Dr José de Oliveira e como Secretário Adjunto o Prof. Dr Fernando Paredes. Na sessão inaugural, realizada em 28 de Fevereiro de 1969, o Prof. Dr Fernando Paredes apresentou o que viria a ser a primeira comunicação da Sociedade, subordinada aos temas «Impressões sobre a Reunião da Sociedade Americana de Cirurgia da Mão» e «Estado Actual dos Trabalhos da Federação Internacional das Sociedades de Cirurgia da Mão».

A Sociedade Portuguesa de Cirurgia da Mão torna-se por essa altura afiliada da International Federation of Societies for Surgery of the Hand, uma organização que engloba ainda mais 41 outras sociedades congéneres de todo o mundo.

Na vigência desta direcção, realizam-se as duas Jornadas de Cirurgia da Mão do Hospital de Sant' Ana, eventos que ficam registados como sendo as primeiras realizações internacionais sobre a Cirurgia da Mão em Portugal. As conferências foram conduzidas por especialistas de renome como Guy Pulvertaft, Graham Stack, Eric Mã¶berg e outros.

O primeiro Conselho de Direcção acabaria por ser reeleito em 30 de Julho de 1971 para um novo mandato. Nesse mesmo ano, o Presidente da Sociedade e Director do Hospital de Sant' Ana – o Dr Manuel Serra e Costa – toma a iniciativa pioneira de criar uma consulta institucionalizada de Cirurgia da Mão, na sequência do atendimento que ele próprio já vinha fazendo deste tipo de patologia. A consulta é entregue ao Dr Amadeu Buceta Martins, que para esse efeito procura formação em Inglaterra, onde viria a trabalhar nomeadamente com Pulvertaft, na cidade de Derby, com Athol Parks, em Glasgow, e com Lamb, em Edimburgo, na Escócia.

Dois anos depois, em 1973, a Sociedade colabora numa mesa redonda no 9º Congresso Hispano-Luso de Ortopedia, cabendo-lhe realizar uma conferência sobre «Considerações ao redor da avaliação pré-operatória», em que foi orador o Dr Buceta Martins. Nessa conferência é apresentado, pela primeira vez – com a colaboração do Centro de Reabilitação de Paralisia Cerebral Calouste Gulbenkian –, um teste quantitativo de avaliação pré-operatória no campo da Cirurgia do Membro Superior na Paralisia Cerebral.

Por circunstã¢ncias várias, a primeira consulta hospitalar institucionalizada e exclusivamente dedicada ã  Cirurgia da Mão só viria, no entanto, a ser aberta em Janeiro de 1975, no Hospital de Sant' Ana, onde ainda se mantinha como director o Dr Manuel Serra e Costa.

Nos biénios seguintes manter-se-ia a mesma Direcção. A Sociedade, devido a vários factores, acabaria porém por passar por um período de relativa inoperã¢ncia, até 1981, ainda que a Cirurgia da Mão continuasse a ser tratada, enquanto tema, em reuniões científicas, nomeadamente em reuniões realizadas pela Sociedade Portuguesa da Cirurgia Plástica Reconstrutiva e em congressos de Ortopedia.

Em 1981 toma posse uma nova Direcção, em que é Presidente o Prof. Dr Baptista Fernandes, cirurgião plástico de renome, de Lisboa. Os dois outros membros são a Prof.ª Drª Júlia Amaral, cirurgiã plástica, de Lisboa, que assume o cargo de Secretária, e o Dr A. Buceta Martins, ortopedista, de Lisboa, a quem são atribuídas as funções de Secretário para a Federação Internacional.

Nos biénios seguintes manter-se-á esta Direcção, sendo as reuniões científicas efectuadas no Vimeiro. Aliás, as reuniões científicas destes anos, designadamente a que se realizou em colaboração com as Sociedades de Cirurgia Plástica e Reconstrutiva e de Ortopedia, em 1987, acabariam por vir a destacar-se entre os eventos que mais perduram na memória da Sociedade.

Na Assembleia Geral de 1986 é proposto um novo regulamento, com alternã¢ncia bienal da presidência entre ortopedistas e cirurgiões plásticos, tendo igualmente sido aberta a entrada a especialistas de campos afins. Na mesma ocasião foi ainda eleita uma nova Direcção para exercer no biénio 1987-1988. Esta Direcção tinha como Presidente o Dr A. Buceta Martins, ortopedista, de Lisboa, como Vice-Presidente tinha o Prof. Dr A. Cordeiro Ferreira, cirurgião plástico, de Lisboa, como 1º Secretário tinha o Prof. Dr Abel Nascimento, ortopedista, de Coimbra e como 2º Secretário foi indigitada a Drª Nádia Castanheira, cirurgiã plástica, de Lisboa.

Durante o mandato desta Direcção, dá-se uma grande renovação da Sociedade Portuguesa de Cirurgia da Mão – que passa a tomar também o acróstico de SPOCMA –, e aumenta muito significativamente o número de sócios, sobretudo jovens especialistas, sinal que evidenciava o real interesse que a Cirurgia da Mão começava a despertar em muitos.

Com o novo regulamento e duas Reuniões Científicas Anuais, para as quais são convidados nomes estrangeiros marcantes da cirurgia da Mão – como Garcia Julbes e Carlos Irrisari, de Espanha, Michel Merle, de França, e Daniel Egloff, da Suíça –, a Sociedade entra num período de notável actividade, que se tem mantido até hoje. Contam-se como iniciativas marcantes as Jornadas levadas a efeito em 1988, realizadas em alguns Hospitais Distritais, sobre «Cirurgia da Mão na Urgência», e sobretudo o I Congresso Hispano-Luso de Cirurgia da Mão, este realizado na cidade de Murcia, em Espanha, no ano de 1987.